Introdução ao CobiT 5

2 de novembro de 2011 – 20:25

Boa noite Galera,
Hoje o assunto tem foco na Governança de TI, em específico, a atualização do CobiT.

O COBIT 5 é considerado um grande avanço estratégico ao oferecer a próxima geração de guias e orientações do ISACA para Governança de TI nas organizações. Com base em mais de 15 anos de uso prático e aplicação do COBIT por muitas empresas e usuários das comunidades de negócios, TI, segurança e controle, foi projetado para atender as atuais necessidades dos interessados e alinhar com as mais recentes técnicas em governança corporativa e gerenciamento de TI. Concebido para empresas de todos os tipos e tamanhos. Une e reforça todos os ativos de conhecimento do ISACA, ou seja, Board Briefing on IT Governance – 2nd Edition, Business Model for Information Security (BMIS), IT Assurance Framework (ITAF), Risk IT Framework, Taking Governance Forward e Val IT Framework. COBIT 5 foi projetado para oferecer benefícios às empresas, incluindo:

  • Criação de valor aumentando o uso de TI, satisfação do usuário com o envolvimento de TI e serviços, e cumprimento das leis, regulamentos e políticas;
  • O desenvolvimento de um negócio mais focado função de TI;
  • Contribuição maior do usuário para a empresa.

Princípios e Facilitadores

O COBIT 5 é baseado em 5 princípios e 7 facilitadores. Os princípios que sustentam COBIT 5 são identificados na figura abaixo.

Principios COBIT 5

Os facilitadores que devem ser considerados para ajudar a promover a realização dos objectivos da empresa quadro e entregar valor são:

  1. Processos
  2. Habilidades e competências
  3. Cultura, ética e comportamento
  4. Informação
  5. Princípios e políticas
  6. Estruturas organizacionais
  7. Capacidades de serviço

Cada facilitador é desenvolvido a partir de um modelo genérico, apoiando a consistência, integridade e facilidade de compreensão e utilização.

Baseado em facilitadores

O COBIT 5 inclui um facilitador do processo, já que a maioria das empresas organizam as suas atividades neste caminho. Há um modelo de processo que define o conteúdo e a estrutura de um processo do COBIT. Há também um modelo de referência de processo, com cinco domínios e 36 processos, que forma a estrutura detalhada para a orientação do processo COBIT 5. Esses modelos são descritos com detalhes no COBIT 5: Guia de Referência do Processo. Contêm práticas de governança e gestão. Para cada prática tem associada atividades específicas. O COBIT 5 é um quadro de orientação e, portanto, estas práticas genéricas e atividades não são uma lista exaustiva de requisitos. Usuários irão utilizar a orientação, uma vez que se adapte às suas empresas e ajustar ou adicionar outros quando necessário.

Facilitadores COBIT

Process Capability Maturity

No COBIT 4.1 os usuários estão familiarizados com o modelo de maturidade COBIT, abordagem de um para cada um dos 34 processos. Estes fornecem uma escala e descrições relacionadas para medir a maturidade de uma empresa de processos de TI. Define o nível de maturidade atual da empresa e determina o nível que seria desejável. A diferença entre os dois identifica áreas de melhoria. O COBIT 5 foi projetado e construído para suportar uma nova abordagem para a avaliação da capacidade do processo, que segue a norma ISO/IEC 15504, processo de avaliação de TI para avaliações de capacidade do processo. O processo é uma parte fundamental da nova abordagem. A abordagem ISO oferece uma abordagem mais rigorosa, robusta e reproduzível para processo de avaliação de capacidade.

Referências

http://www.isaca-brasilia.org
http://www.isaca.org

Até o próximo post! ;)

Tags: , , , , , , , ,

Postar um comentário

* - Itens obrigatórios.